Review: 'The Walls Around Us', Nova Ren Suma



★ ★ ★ ★ ☆

The Walls Around Us // Nova Ren Suma
• Published March 24th 2015 by Algonquin Books

“Ori’s dead because of what happened out behind the theater, in the tunnel made out of trees. She’s dead because she got sent to that place upstate, locked up with those monsters. And she got sent there because of me.”

The Walls Around Us is a ghostly story of suspense told in two voices—one still living and one long dead. On the outside, there’s Violet, an eighteen-year-old dancer days away from the life of her dreams when something threatens to expose the shocking truth of her achievement. On the inside, within the walls of a girls’ juvenile detention center, there’s Amber, locked up for so long she can’t imagine freedom. Tying these two worlds together is Orianna, who holds the key to unlocking all the girls’ darkest mysteries.

We hear Amber’s story and Violet’s, and through them Orianna’s, first from one angle, then from another, until gradually we begin to get the whole picture—which is not necessarily the one that either Amber or Violet wants us to see.

Why did I read this book? The cover is stunning (and extremely fitting, though I didn't know it at the time), there's a dead main character, and the summary suggests unreliable narrators protecting a painful truth. I could have wrapped myself in this book, it looked so perfect.

Well, it delivered. It delivered on every single front.

Many have described this book as Orange Is The New Black Swan (don't ask me whether I agree, I haven't watched either), for the way it interweaves life in a juvenile detention center with the mighty fall of two ballet dancers. We flow from Violet's POV, as she prepares for a life of stage bliss in New York City, to Amber's POV, as she prepares for... eternity spent inside the same four walls. They don't know each other, but they know Orianna, the Bloody Ballerina, the prodigy turned inmate, and through them, we get to know her too.

It'd be hard to get into plot points without spoiling the tremendous fun that it was to just... read along, and uncover tiny slivers of the overall story as I went. The book toes the line between whodunnit and whydunnit, and if at first we're pushed forward by the need to find out, we are soon transported to a place where all we can do is rub our hands and hope for retribution.

The writing style - so lyrical, so beautiful, so flawless - may put some people off, I believe, for the way it jumps from present to past and then to both at once (and perhaps also the future) with no "graphic" indicators to help the reader navigate the timeline. Nevertheless, this fluid concept of time is one of the things that makes The Walls Around Us a book in a million, and it was by far one of my favorite things about it.

The other was Amber's delicious ominous POV. First person plural? Hell yes, we are most amused.

Character-wise, I found most of the characters unlikable, but relatable. I wasn't surprised, for let's be real, I sure wasn't a juvenile delinquent back in the day, but if I met 15-year-old me today I probably wouldn't like her much either. I'd understand her general philosophy of life, though.

And as an afterthought, perhaps I'd tell her to stop keeping journals. Just in case.


NOTE: This book was provided by the publisher, through NetGalley, in exchange for an honest review.
Read more >

Opinião: 'Boneshaker', Cherie Priest



★ ★ ☆ ☆ ☆

Boneshaker // Cherie Priest
• Publicado a 29 de Setembro de 2009, pela Tor Books

In the early days of the Civil War, rumors of gold in the frozen Klondike brought hordes of newcomers to the Pacific Northwest. Anxious to compete, Russian prospectors commissioned inventor Leviticus Blue to create a great machine that could mine through Alaska’s ice. Thus was Dr. Blue’s Incredible Bone-Shaking Drill Engine born.

But on its first test run the Boneshaker went terribly awry, destroying several blocks of downtown Seattle and unearthing a subterranean vein of blight gas that turned anyone who breathed it into the living dead.

Now it is sixteen years later, and a wall has been built to enclose the devastated and toxic city. Just beyond it lives Blue’s widow, Briar Wilkes. Life is hard with a ruined reputation and a teenaged boy to support, but she and Ezekiel are managing. Until Ezekiel undertakes a secret crusade to rewrite history.

His quest will take him under the wall and into a city teeming with ravenous undead, air pirates, criminal overlords, and heavily armed refugees. And only Briar can bring him out alive.

Por que é que li este livro? O meu círculo social mandou-me. Isto prova, essencialmente, que não posso confiar neles para nada.


Não, pronto, estou a abusar. Mas é verdade que a) peguei neste livro depois de ter lido as opiniões brilhantes de muitos dos meus camaradas mais próximos, e b) como sempre, o meu coração hipster não conseguiu alinhar com eles.

Falemos, então. Boneshaker é o primeiro volume do magnum opus steampunk de Cherie Priest, e começa logo com um ponto a favor - não se passa numa Inglaterra Vitoriana alternativa. Nope, a autora leva-nos até à sua versão de Seattle, no rescaldo de um desastre muito pouco natural que obrigou a população a selar a cidade para se escapar ao gás tóxico que transforma as pessoas em zombies. O livro inclui todos os tropes que estamos habituados a encontrar em steampunk, desde airship pirates a engenhocas com nomes espampanantes como Dr. Minnericht's Doozy Dazer, e no geral, não posso negar que a autora tenha colocado todos os ingredientes certos na picadora.

O problema, do meu ponto de vista, foi mesmo o resto do processo. Não basta juntar farinha e ovos (e coisas afins) para fazer um bolo, tal como não basta juntar um worldbuilding francamente awesome e uma série de clichés do género para escrever um livro capaz de me arrebatar.

Senti que me desentendi com Boneshaker em dois pontos principais: caracterização e enredo. Descrevi o livro a uns amigos como "duas batatas a correrem por túneis", e embora esse não seja o resumo mais refinado, foi o que me serviu na altura. Este livro conta com dois protagonistas, Briar e o seu filho Zeke, que vivem nos arredores da cidade murada. Um belo dia, Zeke lembra-se que quer ir descobrir a verdade sobre o seu pai, o cientista maléfico que pode ou não ter destruído as fundações da cidade com a sua broca gigante (o titular Boneshaker), e entra por ali adentro por um túnel que passa por baixo das muralhas. Briar, sentindo-se muito culpada por nunca ter contado a verdade ao seu filho, tenta segui-lo, mas o túnel desaba devido a um conveniente terramoto - FEAR NOT THOUGH, pois a nossa heroína não desanima. Como qualquer pessoa que tenha lido/visto Attack On Titan sabe, a melhor maneira de invadir uma cidade murada é por cima, pelo que lá vai ela pedir ajuda a uns airship pirates. Poucas horas depois está dentro da cidade, e aí começa o enredo que me deixou de joelhos a rezar pelo fim. Zeke encontra pessoas que o guiam através de túneis. Quando está à superfície, foge de zombies. Briar faz o mesmo. Depois de 300 páginas de correria, encontram-se lá para o final do livro, derrotam o vilão que é basicamente uma versão barata do construtor do Boneshaker, e fazem as pazes. All is well, mas eu sinto que fiz mais character development sem sair do meu sofá do que este pessoal numa Seattle caótica, murada, zombificada, enevoada por gases tóxicos, e praticamente desabitada - se excluirmos a mão-cheia de pessoas que nunca chegaram a sair durante as evacuações.

Voltamos aos ingredientes, pessoal. Este livro tinha tudo para me entusiasmar - zombies! piratas! sociedades alternativas organizadas por sobreviventes em tempos de crise! máquinas destruidoras de cidades! -, mas o resultado final não me agradou. Leva duas estrelas porque ia levar três, mas eu prometi que tirava uma se o Boneshaker não aparecesse de forma relevante (e funcional) na história. Não apareceu. Fiquei destroçada.


Portanto... fiquem bem, leiam Boneshaker independemente da minha opinião (é estatisticamente provável que o apreciem mais do que eu), e na volta recomendem-me o melhor livro steampunk que alguma vez leram. A casa agradece!
Read more >

Review: 'A Darker Shade Of Magic' (preview), V.E. Schwab



★ ★ ★ ★ ☆

A Darker Shade Of Magic // V.E. Schwab
• Expected publication: February 24th 2015 by Tor Books

Kell is one of the last Travelers—rare magicians who choose a parallel universe to visit.

Grey London is dirty, boring, lacks magic, ruled by mad King George. Red London is where life and magic are revered, and the Maresh Dynasty presides over a flourishing empire. White London is ruled by whoever has murdered their way to the throne. People fight to control magic, and the magic fights back, draining the city to its very bones. Once there was Black London - but no one speaks of that now.

Officially, Kell is the Red Traveler, personal ambassador and adopted Prince of Red London, carrying the monthly correspondences between royals of each London. Unofficially, Kell smuggles for those willing to pay for even a glimpse of a world they’ll never see. This dangerous hobby sets him up for accidental treason. Fleeing into Grey London, Kell runs afoul of Delilah Bard, a cut-purse with lofty aspirations. She robs him, saves him from a dangerous enemy, then forces him to another world for her 'proper adventure'.

Why did I read this book? I'm going to be painfully honest. The cover. I was casually hanging around NetGalley when my eyes zeroed in on that wonder of art and design, and I couldn't not click. Click that too, it's about the cover. Just do it.

But less cover talk, more book talk. I've mentioned a couple of times that I am a tough reader to sway - if I hate your first 50 pages, chances are I'll hate your entire book. This preview is 150 pages long. I loved every single page. Do you see what I'm getting at?

V.E. Schwab won me over right on the first page, with her flawless description of Kell's multiple-sided, dimension-hopping, magical coat. Think Hermione Granger's purse, but red, and on the book cover.

As we follow Kell on one of his mail runs between Londons, I couldn't help but be charmed by the book's glorious worldbuilding - a series of parallel cities in constant communication through a select group of dimension-hopping magicians, sealed off from each other because of a vaguely apocalyptical Noodle Incident that is obviously not explained in the preview otherwise we wouldn't have to read the entire book. Red London stands as our prosperous HQ, a city of light and love and a troupe of royals who act part adoptive family part captor mob to our protagonist, Kell. Grey London is... our London, pretty much, ruled by a very real, very ill George III, whose characterisation is so endearingly on point that I wish we could have spent the entire preview talking to him. We also visit White London, a magical wasteland home to a vicious (ah!) set of twins I wouldn't want to cross on a bad day, and... we speak of Black London, though we never truly drop by.

I understand that my job here is to give you reasons why you should read this book, but I am remarkable bad at selling things to the masses so let me just say this - all I know is I spent 150 pages thinking to myself "I'm not quite sure of what's going on but I am enjoying it and I will therefore follow Kell into the dark, hopefully the literal dark, hopefully Black London". My faith in this book is the best thing I can give you, with a side of my faith in this author - because I have since read, recommended, and fangirled over Vicious, and let me tell you... you're in great hands here.

Do something nice for your soul this week, friends, and pre-order A Darker Shade Of Magic at your favourite place where books are exchanged for money. I'm not even getting paid to say this. Just do it.


[source]


NOTE: This book was provided by the publisher, through NetGalley, in exchange for an honest review.
Read more >

Review: 'The Undertaker's Daughter', Kate Mayfield



★ ★ ★ ★ ☆

The Undertaker's Daughter // Kate Mayfield
• Published January 13th 2015 by Gallery Books

What if the place you called home happened to be a funeral home? Kate Mayfield explores what it meant to be the daughter of a small-town undertaker in this fascinating memoir evocative of Six Feet Under and The Help, with a hint of Mary Roach's Stiff.

After Kate Mayfield was born, she was taken directly to a funeral home. Her father was an undertaker, and for thirteen years the family resided in a place nearly synonymous with death. A place where the living and the dead entered their house like a vapor. The place where Kate would spend the entirety of her childhood. In a memoir that reads like a Harper Lee novel, Mayfield draws the reader into a world of Southern mystique and ghosts.

Why did I read this book? It's about a girl who lives in a funeral home, it couldn't possibly be more up my alley.

Kate Mayfield's memoir, The Undertaker's Daughter, is real-life Southern Gothic. It tells the story of... you guessed it, Kate, as she spends her childhood among caskets and embalming fluid. Outside, the Civil Rights Movement pushes against the old ways of her very small, very segregated Kentucky hometown. Everybody's got secrets, but they're not often mentioned - and it's often down to the undertaker to bury them as discreetly as possible.

In telling her story, Kate Mayfield ended up telling the story of an entire cast of remarkable characters, from the ladies who gathered around her mother's table to play bridge, to the old rich woman who only ever wore red - her town's very own Miss Havisham. There was room to take this subject matter (small town funerals!) and build something sordid out of it, but this book seems to have come out into the world with nothing but respect. Perhaps even grace.

The author's voice toes the line between creepy and cute, and I felt a lot closer to her than I'd originally thought I would. I'm only a reader. I cannot tell you whether this book is honest, but I can tell you it feels honest. It also hit me quite close to home - that constant struggle between sticking to one's small town roots or spreading one's wings into the unknown is a very real, very authentic one. I connected with Kate's ideals. I was somewhat inspired by her take on life.

So let's just say it once and for all, I loved this book, and I'm going to order it as soon as I post this review. (it's going to look great on my shelf, right next to The American Way Of Death, where it belongs)


NOTE: This book was provided by the publisher, through NetGalley, in exchange for an honest review.
Read more >

Review: 'The Circus Of The Damned', Cornelia Grey



★ ★ ★ ☆ ☆

The Circus Of The Damned // Cornelia Grey
• Published November 3rd 2014 by Riptide Publishing

Magician Gilbert Blake has spent his entire life conning drunkards in the seediest pubs in the darkest towns, careful to hide the true depths of his power. But when he spends a little too much time in Shadowsea and the infamous slumlord Count Reuben gets wind of his abilities, hiding within the Circus of the Damned may be Gilbert’s only chance at survival.

But there’s more to the Circus than meets the eye. Every time a performer dies, a new one must take his place, or the entire circus suffers the consequences. And while the handsome ringmaster Jesse isn’t one to coerce unwilling performers into giving up their souls to the devil, a recent death in their ranks makes Gilbert exactly what they need.

Yet the longer Gilbert stays with the Circus, the more danger he seems to bring them. Being with Jesse is more than Gilbert could have hoped for, but as Count Reuben’s men continue to search for Gilbert and the Circus loses another performer, they all face running out of time long before the Devil claims his due.

Why did I read this book? Point one, circus. Point two, mentions of a "handsome ringmaster". I may or may not be perpetually in love with that word. Ringmaster. It could hardly be more evocative, and the uniform is beautiful.

But I digress. The Circus Of The Damned, to get this review started, was exactly what I expected – an atmospheric read about one of my favorite settings of all time, with bonus Victorian and light steampunk elements, clouded with the ever-present relationship drama that must surely accompany two men trying to figure themselves (and each other) out. It gave me exactly what I bargained for, and for that, I must praise it.

There are downsides, though. This book doesn’t exactly market itself as the steamiest, most self-indulgent romance in the universe, which I appreciate – it isn’t. It’s so plot-heavy it kind of forgets about its romance, in fact. Gilbert, a lone magician whose concerns are limited to a) money, and b) his pet mouse, messes with the wrong people and bumps against a travelling circus troupe in his attempt to escape the city. He is promptly invited to join them, and because he’s fond of bad life decisions, he agrees. Too bad joining the circus means pledging your soul to a demon and never being able to leave, something he comes to fully understand in the following weeks. There are many ways to work with this kind of plot device, and the author chose to do it in a delightfully evil way – walk as far as you might, hop on a train, hide behind your grandmother’s rocking chair, threaten the ringmaster, do whatever you please... but let yourself fall asleep, and prepare to wake up back in the circus.

And speaking of circus. Gilbert eventually warms up – pun very much intended, for those who’ve read the book – to his new surroundings, and next thing he knows he’s actively invested in the show’s success. Too bad he’s still being followed by murderous mercenaries. Meanwhile, Jesse, the aforementioned handsome ringmaster who may or may not have sold his own soul a few hundred years prior just for the opportunity to run a circus (there’s Dorian Gray... and then there’s this guy), is struggling with his responsibilities, being broody but hot, and having second thoughts. Oh, and then the demon comes back to talk business, because this couldn’t possibly get any worse.

I’m telling you this so I can explain the downside – I didn’t really believe the book’s primary relationship. Gilbert and Jesse are okay together, I suppose, but I don't regret saying I liked their initial comradery better than I liked their established romance. Instead, I found myself cheering for Jesse and his demonic business partner. You would expect me to, of course, for as a woman of wealth and taste, rugged magicians are really not my type - but ultimately, not believing the romance also meant I didn’t believe the ending, which didn’t really work in favor of the book.

Another thing I didn’t particularly approve was the supporting cast – I wish the side characters had been more fleshed out, for I had a hard time telling some of them apart. I knew all about their appearance (the octopus in a top hat slayed me), but I didn’t know a thing about them as people. In the end, that made it hard to care for them.

But back to the bright side of things. I read this in a couple of sittings during my summer holiday (it’s been a while, sorry), and more than the story itself, I can safely say that what truly stuck with me was the worldbuilding. The descriptions, the trains and the circus wagons, the whole magical-slash-steampunk ambience... I felt very much immersed in the story, which is the greatest compliment I can pay a writer.

I’m giving this three stars, with a promise to read more of the author’s work.


Also, nobody asked me to review the publisher but I will do so anyway. The folks at Riptide Publishing call themselves "a boutique purveyor of some of the finest LGBTQ fiction, romance, and erotica", and I was happy to see they do quite a bit for the cause. Their online catalogue is a thing of beauty. You can browse books by heat wave (the amount of sexual content in the books), erotic frequency (how often you should expect to find explicit sex scenes), gender identity (cis, trans, nonbinary) and sexual orientation (hetero/homo/bi/pansexual, and most incredibly, asexual spectrum!) of the characters involved, kinks (everything from dirty talk to guns, they’ve got it written down so you know what to expect), and finally, and most importantly, warnings.

I cannot begin to explain how happy I was when I saw that every book had a small section for warnings – some of the warnings currently in use include drug use, dubious consent, and self-harm. I like this. I like that the people behind Riptide are genuinely respecting their readers and catering to their personal limits. It doesn’t take much to do this, and it makes me – and many others, I imagine – feel extremely comfortable around this publisher and their work. I approve.


NOTE: This book was provided by the publisher, through NetGalley, in exchange for an honest review.
Read more >

Review: 'White Tiger On Snow Mountain: Stories', David Gordon



☆ ☆ ☆ ☆ ☆ // did not finish

White Tiger On Snow Mountain: Stories // David Gordon
• Published October 28th 2014 by New Harvest (Houghton Mifflin Harcourt)

In these funny, surprising, and touching stories, Gordon gets at the big stuff—art and religion, literature and madness, the supernatural, and the dark fringes of sexuality—in his own unique style, described by novelist Rivka Galchen as “Dashiell Hammett divided by Don DeLillo, to the power of Dostoyevsky—yet still pure David Gordon.”

Gordon's creations include ex-gangsters and terrifying writing coaches, Internet girlfriends and bogus memoirists, Chinatown ghosts, and vampires of Queens. “The Amateur” features a cafe encounter with a terrible artist who carries a mind-blowing secret. In the long, beautifully brutal title story, a man numbed by life finds himself flirting with and mourning lost souls in the purgatory of sex chatrooms. The result is both unflinching and hilarious, heartbreaking and life-affirming.

Why did I read this book? The blurb was (is!) fascinating, and it made the book sound like something up my alley. It misled me, but that's not what this review's about.

The other day, I was telling my Friends Who Read that 2015 is going to be the year I stop finishing books I don't love. After all, the world is full of good books, and I'm a grad student with limited free time - it doesn't make much sense to spend it on things that don't lift my spirits. And this book didn't lift my spirits, so I decided to ditch my new year's resolution and just... start earlier?

White Tiger On Snow Mountain is a collection of... let's call them personal short stories, so personal that I often found myself wondering if the author wasn't writing about himself in every single one of them. Writers, Jewish writers, Jewish writers in love (or lust, that too) with younger women, boys who would undoubtedly grow into Jewish writers in love or lust with younger women... the protagonists didn't offer much variety, and halfway through the book I told myself it'd be okay to stop.

Did I mention one of the protagonists is actually named David Gordon? (he used to write porn, now he doesn't anymore, and it makes him sad that none of the women he sleeps with want to read his novel-in-progress)


In the end, the stories felt incredibly repetitive, the overall tone was ManPain with a side of misogyny, and not even Gordon's remarkable use of language (the writing is beautiful, no doubt about it) could improve the collection's worth in my eyes. I'm sorry I couldn't finish, but the more I read the less I liked.

There is one sole exception, and that was a story named We Happy Few. It starts normally enough for the collection, with a middle-aged English teacher who, intent on sending a nude photo to a 20-year-old student, ends up sending it to the entire class. He is fired, and then hired right away by a mysterious stranger to play sober companion to "a terrific young writer". Chaos ensues, but our protagonist saves the day with his bottled up literary prowess, and all's well that ends well. It doesn't sound particularly alluring on this screen, I know, but the story stuck with me, and I wanted to make sure you knew - if you really must pick this up, I recommend that you start with that story, and then find your way from there.

Seeing as I didn't finish, there will be no star ratings. Over and out!


NOTE: This book was provided by the publisher, through NetGalley, in exchange for an honest review.
Read more >

Opinião: 'Mutants', Armand Marie Leroi



★ ★ ★ ★ ☆

Mutants: On the Form, Varieties and Errors of the Human Body // Armand Marie Leroi
• Publicado a 1 de Abril de 2010, pela Harper Perennial

Full of fascinating and bizarre cases of genetic mutation and irregularity, Mutants is an amazing exploration of the human form in all its beautiful and unique guises. Why are most of us born with one nose, two legs, ten fingers and twenty-four ribs – and some of us not? Why do most of us stop growing in our teens – while others just keep going? Why do some us have heads of red hair – and others no hair at all? The human genome, we are told, makes us what we are. But how? Armand Marie Leroi takes us to the extremes of human mutation -- from the grotesque to the beautiful, and often both at the same time -- to explain how we become what we are. Through the tales of long-lived Croatian dwarves, ostrich-footed Wadoma tribesmen, sex-changing French convent girls, and many more wonders of human development, Leroi has written a brilliant narrative account of our genetic grammar and people whose bodies have revealed it.

Por que é que li este livro? Boa pergunta. Provavelmente porque tenho tendência a adicionar livros à minha lista de futuras leituras no Goodreads só porque as capas me intrigam? Talvez por gostar de ignorar a minha total falta de bases (haha, bases) no que toca a genética e ler coisas ligeiramente acima do meu nível de compreensão? Yup, são essas as minhas explicações oficiais.

Mas deixem-me apresentar-vos esta besta. Leroi é professor de biologia evolutiva do desenvolvimento, e este seu livro aborda, permitam-me dizê-lo desta forma, o quão difícil é seguir o plano para o humano "perfeito".

Cada capítulo é iniciado com um caso real, e avança depois para a ciência por detrás da mutação em questão. O texto é acompanhada por fotografias e gravuras, e por momentos temi que o livro pudesse adoptar um tom desrespeitoso, ou até jocoso, face às pessoas cujas histórias de vida utiliza para ilustrar o seu palavreado genético... mas tal não aconteceu. Mutants consegue impedir-se de sujeitar o seu "elenco" ao ambiente de freakshow que os rodeou na vida real, o que me deixa particularmente satisfeita (e desiludiu outros tantos leitores por essa internet fora, mas é a vida).

Os capítulos, dez no total, abordam temas que vão desde o número de braços e pernas de cada ser humano até seu tom de pele, passando pelo tumor na hipófise que deu a Charles Byrne, o Gigante Irlandês, os seus famosos 2 metros e 30 de altura.


1 / 2

A história de Charles Byrne foi, aliás, uma das que mais me marcou em todo o livro - pela forma como o seu corpo foi tratado após a sua morte. Byrne morreu aos 22 anos, depois de ter implorado que o seu corpo fosse atirado ao mar num caixão selado, para assim escapar aos anatomistas que o queriam dissecar. John Hunter, famoso pelas suas colecções de espécimes anatómicos e pela sua total falta de escrúpulos, subornou um amigo de Byrne e comprou-lhe o corpo por uma pequena fortuna. O corpo de Byrne foi assim dissecado, e o seu esqueleto fervido e colocado em exposição no Hunterian Museum em finais do século XVIII, onde se mantém até hoje. Em 2011, a opinião pública insurgiu-se contra o Museu, exigindo que Byrne fosse retirado de exposição, mas a questão ética acabou por ser, tal como em 1783, abafada pelo valor científico do esqueleto.

Byrne pôde ser visitado, durante anos, na companhia de Caroline Crachami, uma menina de 9 anos muitas vezes considerada a pessoa mais baixa alguma vez medida; actualmente, Byrne partilha o seu espaço com Mr. Jeffs, um senhor inadequadamente identificado que viveu algures no séc. XVIII com aquilo que hoje se sabe ser fibrodisplasia ossificante progressiva - uma patologia hereditária que se caracteriza por uma ossificação gradual do corpo. Trocando isto por miúdos, o corpo da pessoa afectada acaba por "solidificar", o que culmina normalmente em insuficiência respiratória (uma vez que os pulmões são incapazes de se expandir).

Podia ficar aqui o dia todo a citar passagens do livro e a mencionar todas os casos reais mencionadas, mas vou parar por aqui, e deixar apenas duas críticas. A principal reserva que tenho em relação ao livro é, como seria de esperar, o capítulo sobre género. Leroi faz uma confusão descomunal entre órgãos genitais, género, e atracção sexual, resultando num capítulo absurdamente simplista, já para não dizer ofensivo e heteronormativo. Numa linha semelhante, achei que Leroi se refugiou um pouco na sua bolha científica ao escrever o livro, desperdiçando com isso várias oportunidades de fazer uma análise mais social das situações que descreve (as experiências de Josef Mengele em Auschwitz, por exemplo).

Gostei bastante do livro, e vou sem dúvida relê-lo no futuro - merece, mesmo com as falhas mencionadas, umas sólidas quatro estrelas.
Read more >

Opinião: 'Lulu Dark Can See Through Walls', Bennett Madison



★ ★ ★ ☆ ☆

Lulu Dark Can See Through Walls // Bennett Madison
• Publicado a 18 de Maio de 2006, pela Razorbill

Lulu Dark is the anti-Nancy - a chic, tough-talking city girl who never meant to get involved in a mystery.

But when her favorite purse is stolen during a Many Handsomes concert, Lulu knows she has to get it back. After all, it was one of a kind—and the lead singer's phone number was stashed inside! Lulu dives deep into the fray along with her friends Daisy and Charlie, and discovers a twisted mystery involving a rock star, a rich socialite, a loony landlord, and a serious case of mistaken identity.

Por que é que li este livro? Basicamente, porque a minha querida Lady Entropy mo recomendou, argumentando inclusive que a única coisa que me distinguia da protagonista era o comprimento do cabelo. A pura das verdades é que nem gosto particularmente de girl detectives... mas quando uma amiga recomenda, a gente tenta.

Ora vamos lá então. Lulu Dark Can See Through Walls segue as aventuras de Lulu Dark, uma rapariga perfeitamente normal que vê a sua vida virada do avesso quando a sua mala é roubada num concerto da sua nova banda favorita, levando no seu interior o número de telefone do vocalista. Decidida a recuperar o que lhe pertence e a iniciar a sua nova vida como namorada de uma estrela rock (digo eu...), Lulu deita mãos à obra em busca do responsável pelo crime - e acaba por revelar um drama muito maior do que aquele que a envolve. O enredo é complexo, em teoria, mas não propriamente impressionante ou imprevisível. Admito que não estava à espera que a grande revelação fosse tão... deprimente, digamos assim, mas serviu para me pôr a pensar.

Este livro é, acima de tudo, divertido. É leve, é descontraído, não se leva muito a sério, e às vezes é só isso que exijo da minha literatura. A narrativa diverte-se com descrições de roupas e cocktails, mas, paralelamente, há toda uma série de questões mais profundas que o livro não se abstém de focar. A configuração familiar de Lulu, especialmente, pareceu-me um ponto a favor - uma mãe que fugiu para ser actriz + um pai que passou dessa relação para um namorado hipster? Estou a ouvir.

O detalhe que mais me impressionou neste livro foi, no entanto, o género do autor. Ali estava eu, toda entretida, a ler um livro escrito da perspectiva de uma adolescente, quando me lembrei de investigar o autor e... pasmei-me, era um homem. Nunca na vida me passara pela cabeça que tal fosse possível, porque nunca na vida vira um homem a escrever de um ponto de vista feminino com esta autenticidade e desenvoltura. Só prova que é possível, por isso, queridos autores... sigam o exemplo de Bennett Madison, e aprendam a escrever mulheres. O mundo agradece.

Entretanto, eu fico-me por aqui. Três estrelas, e só não dou quatro por achar que falta aqui algum... je ne sais quoi mais memorável. Gostei do livro, ainda assim, e tenciono ler a sequela.
Read more >

Quando Os Autores São Roubados, e Nós Deixamos


Perdoem o post às 2 da manhã, meus caros, mas valores mais altos se levantam.

Há poucas horas, assinei o primeiro contrato de direitos autorais da minha vida. Uma coisa séria, duas páginas, em que declaro que Editora X tem direito a publicar uma história minha, por período limitado, publicação essa pela qual receberei um pagamento. Em dinheiro. Porque sou autora, e isso dá-me direito a... imagine-se, direitos de autor.

Mas deixemos de falar de mim. Falemos, em vez disso, da Editora Livros de Ontem, um projecto editorial que surgiu recentemente nos radares desta vossa blogger com a entrevista que o seu editor-chefe, João Batista, deu ao blog Bran Morrighan.

João Batista apresenta-se como, “acima de tudo [...] escritor”, e as suas motivações para a criação da Livros de Ontem parecem-me, em tudo, louváveis. João Batista menciona “o estado do mercado editorial e livreiro, a inércia completa das editoras existentes”, e eu concordo em tudo com o que diz. O mundo editorial Português não está convidativo para aqueles de nós que não chegam aos calcanhares de popularidade de um José Saramago ou de uma Margarida Rebelo Pinto, e se os últimos anos têm assistido a uma inovação notável por parte de autores, editores, e demais empreendedores das letras, nem sempre esses esforços se têm traduzido num contacto com o público mais vasto. Para colmatar essa falha, esta editora distingue-se pela sua estratégia de “crowdpublishing” (basicamente crowdfunding com um nome diferente), e embora tenha as minhas questões relativamente a esse ponto, não é para isso que aqui estamos hoje.

Estamos aqui, irmãos e irmãs, para discutir o conceito de “Guest Bloguer”, uma categoria particular a esta editora que me tem causado, a mim e aos meus, algum pasmo. João Batista menciona, na sua entrevista, a sua desilusão face à imprensa nacional e à sua relutância em divulgar novos projectos literários, apontando como alternativa clara os blogs. Nas suas palavras, “fico absolutamente fascinado como alguém consegue fazer tanto pelos livros com tão poucos ou nenhuns recursos. São passatempos, entrevistas, notícias, divulgações, tudo. Os blogues literários assumiram, literalmente, o papel dos media tradicionais na divulgação editorial.”

Mas nem tudo são rosas, e João Batista aponta, logo a seguir, as falhas que encontra no modelo nacional de blog literário: “alguma falta de qualidade que inegavelmente existe em alguns blogues, o que se deve ao seu amadorismo, e a insustentabilidade do modelo [...] devido à falta de capacidade de monetização”. Este é, efectivamente, um problema grave na área, e um que impede que determinados blogs se desenvolvam para além do seu nível actual. Afinal, nem sempre é possível criar e promover conteúdo de qualidade gratuitamente, quando existem milhares de outras preocupações da vida real que se apresentam como prioritárias (preocupações como, sei lá, empregos).

A parte positiva disto tudo é que a Livros de Ontem tem uma solução, que passa pelo programa “Guest Bloguer”. Que programa é este, perguntam vocês? Simples, e para o explicar citarei uma vez mais a entrevista:

uma série de livros que serão lançados pela editora em conjunto com os seus blogues parceiros em que o bloguer convidado desempenhará o papel de editor, escolhendo o autor a publicar e seleccionando o seu original. A editora fará todo o trabalho inerente como a revisão, paginação, capa, divulgação, venda, etc., e os direitos de autor são pagos ao bloguer e não ao autor que é também convidado a ajudar este canal que tanto faz pelas suas obras e carreiras.

Vamos parar já aqui, e rebobinar até àquele pedacinho ali quase no fim – “os direitos de autor são pagos ao bloguer e não ao autor”. Não há uma única coisa que faça sentido nesta frase.

Adoro o facto de a Livros de Ontem mostrar apreço pelos blogs literários. Adoro a intenção de os monetizar e profissionalizar. Não adoro a intenção de o fazer à custa dos parcos rendimentos a que os autores têm direito. Deixem-me ir até mais longe – acho-a deplorável.

João Batista reitera, ao longo da sua entrevista, que um livro não é um “produto de supermercado”, optando ao invés por enfatizar o valor cultural e intelectual de uma obra. Isto é tudo muito bonito, sem dúvida, mas é exactamente o tipo de discurso que leva os autores a desvalorizar, monetariamente, o seu próprio trabalho.

Um livro é um produto. Se é de supermercado ou boutique, não me compete a mim decidir, mas é um produto, e o autor é o seu produtor. O autor passou horas intermináveis a melhorar o seu produto, até ao momento em que finalmente o considerou próprio para consumo, e nada nem ninguém o deve convencer a ceder esse produto gratuitamente.

E pior do que ceder o produto? É ceder os seus direitos de autor. E pior do que ceder os seus direitos de autor? É ceder os seus direitos de autor para que um blogger possa receber os dividendos dos mesmos, limpinhos, no seu bolso.

Uma editora que respeita os seus autores não lhes propõe esquemas deste género. Uma editora que respeita os seus autores não lhes relembra de forma passivo-agressiva que constitui um “canal que tanto faz pelas suas obras e carreiras”, e que portanto, lhes devem ceder os seus direitos de autor sem qualquer contrapartida financeira. Uma editora que respeita os seus autores não lhes rouba, pois o termo é mesmo esse, o pouco que ainda conseguem ganhar com a sua escrita em Portugal.

E mais. Qualquer blog que apoie este programa não está mais do que a contribuir abertamente para o empobrecimento dos autores que tanto diz respeitar.

Mas é como diz João Batista, editor-chefe da editora que nos acaba de propor este esquema... "os autores andam demasiado preocupados em tentar agarrar uma editora que vá lançando os seus trabalhos, seja a que custo for". Dá que pensar, não dá?

Adenda

Este post não foi o único, nem mesmo o primeiro, texto escrito por um autor português a contestar o programa Guest Bloguer da Editora Livros de Ontem. Foi, no entanto, o mais extenso, e o mais partilhado, pelo que me parece importante aproveitar essa onda para deixar aqui uma nota quanto a tudo o que aconteceu depois da sua publicação.

• A polémica começou na noite de sexta-feira, dia 12 de Setembro, quando vários autores e bloggers portugueses demonstraram a sua indignação com o programa nas suas páginas de Facebook pessoais. O tema alastrou a diversos grupos, e foram, inclusive, deixados comentários na página de Facebook da Editora Livros de Ontem, e na entrevista dada por João Batista ao blog Bran Morrighan. O meu próprio post foi publicado por volta das duas da manhã de sábado, dia 13 de Setembro, estando firmemente integrado nesta primeira vaga de críticas.

• Às 11 da manhã de sábado, estava a Editora Livros de Ontem a responder, na página da entrevista no blog Bran Morrighan, com o comunicado oficial que seria depois utilizado para diversos fins ao longo do dia. O mesmo comunicado poderá ser visto a) em resposta ao comentário deixado na página de Facebook, e b) neste mesmo post, se quiserem descer a página até aos comentários.

• O mesmo comunicado foi depois publicado, como post independente, na página de Facebook da Editora, onde foi recebido com uma segunda vaga de críticas - e o contrário não poderia ser esperado, pois fazem parte do comunicado afirmações tão condescendentes como "trata-se de um conto de cerca de 5 páginas e não um romance de uma vida" e "qualquer tipo de remuneração resultaria numa quantia irrisória para cada um" -, publicadas no final da manhã e início da tarde.

• Às duas da tarde de sábado, o blog Bran Morrighan publicou o seu próprio comunicado. Neste texto, a blogger Sofia Teixeira menciona pela primeira vez uma redistribuição dos direitos de autor entre blogger e autores, acrescentando ainda que a sua fatia dos lucros seria doada, acção que poderia ser partilhada pelos autores que assim o desejassem.

Como tal, eu e o João estivemos a falar e haverá uma reformalização do programa Guest Bloguer – os direitos de autor serão distribuídos para o bloguer e para os autores, 10% a cada parte. Os 10% para os autores incluem o ilustrador, neste caso. Mais, os 10% que me couberem a mim, serão doados e não utilizados para proveito próprio. Também os autores o poderão doar, caso tenham esse desejo, sendo que os autores convidados já expressaram essa vontade.

• Às três da tarde, a Editora Livros de Ontem deixou novo comunicado na sua página de Facebook, onde anunciava "uma reformulação do regulamento da iniciativa Guest Bloguer" - reformulação que oficializava o comunicado anterior do blog Bran Morrighan, afirmando que todos os direitos de todos os intervenientes seriam doados a uma instituição de caridade a decidir.

• Há, no entanto, uma parte do comunicado que tenho de contestar:

Agradecemos a todos os leitores o feedback que nos enviaram e apelamos a que futuras opiniões sejam primeiro submetidas à editora para esclarecimento e conversa. Estamos todos aqui pelo mesmo e queremos contribuir para o bom funcionamento do sistema editorial. Declaramos a nossa abertura para debater estas e outras situações com leitores e bloguers desde que o debate seja civilizado e com possibilidade de demonstração das várias opiniões.

É curioso concluir que este meu blog foi acusado de desrespeitar o direito ao contraditório (como, num blog em que os comentários são públicos e nem requerem aprovação prévia?) e de "publicar um artigo de carácter parcial e eminentemente influenciado por opiniões externas à iniciativa", quando no panorama geral das coisas, não sou eu quem está a apelar a um diálogo privado e "civilizado". Não acredito em discutir atropelos éticos de forma privada, tal como não acredito em pedir aos indignados que baixem o seu tom. A mobilização que se gerou em redor deste tema só mostra que não sou a única detentora desta opinião.

• Às cinco e meia da tarde, foi publicado, no site da Editora, o regulamento actualizado do concurso. O post em questão inclui esta citação:

Os direitos de autor serão doado a uma instituição a designar pelo grupo de autores, sendo repartidos da seguinte forma: 10% direitos de autor, 10% direitos do blogue e 10% doação da editora.

E a versão PDF do regulamento inclui esta:

A editora irá doar a uma instituição a designar 30% das vendas, correspondendo a 10% (direitos de autor), 10% (direitos do blogue) e 10% (contribuição da editora).

Portanto, no final de contas, a questão dos direitos de autor pagos à pessoa errada foi resolvida com... um donativo dos direitos de toda a gente a uma instituição de caridade. Uma forma diplomática de fechar a polémica a sete chaves, sem dúvida, mas que acaba por evitar os pontos-chave da questão - nem os autores recebem direitos de autor, nem o blogger recebe qualquer recompensa monetária pelos seus esforços de divulgação, tornando o programa Guest Bloguer efectivamente obsoleto.
Read more >